Instituto Federal do Paraná Marca do IFPR I NS TIT U T O F EDER A L Paraná Campus Foz do Iguaçu
Início notícias 2ª edição do IFPR ConVida marca encerramento do Novembro Negro

2ª edição do IFPR ConVida marca encerramento do Novembro Negro

Publicado em

Grupo de Capoeira Muzenza foi uma das atrações desta edição do IFPR Convida

Sábado (30) foi dia de “IFPR ConVIDA”, projeto realizado pelo Instituto Federal do Paraná (IFPR) – Campus Foz do Iguaçu cujo objetivo é abrir as portas para a comunidade, buscando estreitar laços e trocar experiências. Esta segunda edição celebrou o encerramento do Novembro Negro, programação especial promovida pelo Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi/IFPR/ Foz do Iguaçu) em alusão ao mês da Consciência Negra.

Das 14h até às 19h, o IFPR ConVida promoveu diversas atividades artísticas e culturais, envolvendo a temática. A abertura contou com a apresentação artística dos alunos Caroliny Batista, Gustavo Ferreira e Matheus Vidal e com uma roda de conversa conduzida pelo antropólogo e professor da Unila, Waldemir Rosa. Na ocasião, ele falou sobre religiões de matriz africana e esclareceu dúvidas dos participantes.

Na sequência, houve a “Oficina de Abayomi” (bonequinhas de tecido); “Oficina de Turbantes e de Tranças”; Arte africana para crianças; Aula de Salsa; roda de Capoeira, com o grupo Muzenza; Contação de histórias infantis; Apresentação do Maracatu Baque Mulher e apresentação do Coral Ilê Asé Baru, que encerrou a programação.

Esta foi a última edição do IFPR ConVida este ano, mas a organização já planeja ações para o ano que vem. A expectativa é de que a comunidade, tanto interna quanto externa, abrace o projeto e prestigie este espaço democrático, divertido e educativo.

Novembro Negro

Durante todo o mês de novembro, o Neabi (IFPR/Foz) promoveu oficinas, performances artísticas e palestras destinadas aos alunos e servidores. Foi a primeira vez que o IFPR Foz do Iguaçu destinou um mês inteiro à temática da consciência negra e do combate ao recismo.

O professor Diego dos Santos, atual coordenador do Núcleo, explica a importância de se realizar atividades dessa natureza aqui no Campus.

“Tendo em vista que boa parte de nossas vagas são destinadas a cotistas negros, pardos e indígenas, atividades como o Novembro Negro, além de contribuírem para a formação da comunidade acadêmica, contribuem subjetivamente no combate a evasão escolar”, explica o professor.

Galeria de Fotos

Topo